No sentido dos cinco sentidos.

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Um D. Quixote muito especial





Este é o D. Quixote que tenho na minha sala.
Foi o Miguel Barbosa que mo ofereceu. Aconteceu numa tarde em que estive a observar a colecção de peças de História Natural que o Miguel tinha em casa. A colecção - entretanto doada à Câmara Municipal de Sintra - até chegou a ser classificada de interesse pela UNESCO.


http://www.spautores.pt/revista.aspx?idContent=1032&idCat=277

4 comentários:

Luís Graça disse...

O mundo é realmente um lugar pequenino.
Entra-se na Floresta do Sul (de um amigo), chega-se aqui à conta do comentários das cicatrizes de bicicleta, esbarra-se com o Miguel Barbosa.

Também estive em casa dele, no meio dos "calhaus", perdoe-se a aleivosia.

Outro amigo comum, que vivia por cima do Miguel (salvo seja) dizia assim:

"Eu faço barulho, o Miguel não pode dormir, pinta mais. Pinta mais, desce o preço. Eu compro".

adsensum disse...

Muito interessante a teoria do seu amigo, Luís. Não conheci o vizinho de cima mas deve ser um divertido.
Conheceu o cd de poesia do Miguel Barbosa? Poesia lida ao som de música...

Luís Graça disse...

Infelizmente não conheci o CD de poesia. Sou mais conhecedor da pintura, até por a ver em casa do vizinho de cima.
Do nossa tertúlia vários amigos são felizes proprietários da obra do Miguel.
Quanto ao vizinho de cima, pode ir até www.joaquimevonio.com e já fica com uma ideia.

adsensum disse...

Luís,
Não conheço o vizinho Joaquim, não tive esse prazer.
Quanto ao cd de poesia do Miguel, não existe já stock à venda nem está disponível na net. Vou ver se arranjo uma maneira de a partilhar aqui.